BR-163 - Uma longa estrada

1927 - Washington Luís

Com a intenção de facilitar o acesso do interior do Brasil até as áreas portuárias, o presidente Washington Luís estabeleceu o Plano Viário, que ligaria Cuiabá no Mato Grosso até Óbidos no Pará. O projeto nunca saiu do papel.

1956-1961 - Juscelino Kubitschek

A mudança da capital para o Centro-Oeste acelerou o povoamento das regiões centrais. O presidente Juscelino Kubitschek foi responsável pelas rodovias BR-010, de Brasília a Belém, e a BR-070, do Distrito Federal a Cuiabá. A conexão do interior até os portos contornou a Floresta Amazônica.

1964 - Instauração da Ditadura Militar

Com o Programa de Integração Nacional (PIN), o presidente Médici criou obras de infraestrutura nos territórios Norte e Nordeste. Entre elas, a rodovia Cuiabá-Santarém. O objetivo era ligar áreas rurais às urbanas e povoar áreas ainda não ocupadas.

1970 - Emílio Garrastazu Médici

Com a tomada do governo federal pelas Forças Armadas, várias iniciativas para ocupar as áreas do Oeste tiveram início. O objetivo: impedir que fossem tomadas e utilizadas por outros países e empresas estrangeiras

1971 - 9º Batalhão de Engenharia e Construção (9ºBEC)

Coronel Antônio Paranhos inaugura o 9º Batalhão de Engenharia e Construção no Exército Brasileiro para começar a abertura da estrada a partir de Cuiabá. Em Santarém, o 8º BEC começou os trabalhos no sentido contrário.

1971-1976 - Construção

1,5 mil homens, entre civis e militares, abriram o caminho pela mata em condições extremas. Todas as 32 mortes durante as obras foram por doenças como a malária.

1973-1975 - Contato com os Panará

Em 1973, os irmãos Villas-Boas foram chamados para auxiliar no contato com a nação indígena Panará. Esses povos originários e isolados tiveram suas terras invadidas pelas máquinas. O contato com o homem matou cerca de dois terços daquela população de doenças diversas. Os que sobreviveram foram transferidos pela Fundação Nacional do Índio (Funai) para o Parque Indígena do Xingu em 1975.

1976 - Ernesto Geisel

Geisel inaugurou a rodovia Cuiabá-Santarém, agora chamada BR-163, em 20 de outubro. Antes dele, Médici colocou o 9º Batalhão de Engenharia e Construção (BEC) para iniciar as obras de Cuiabá, enquanto o 8º BEC saiu de Santarém. Os dois se encontraram na região sul do Pará, na Serra do Cachimbo.

1977 - Divisão do Mato Grosso

Na divisão que criou Mato Grosso do Sul em 11 de outubro, as áreas que seguiam do município Diamantino para o norte na BR-163 não eram delimitadas. Havia apenas projetos para Sinop, Colider e Alta Floresta. A rodovia auxiliou na divisão geopolítica.

1979-1985 - João Figueiredo

A BR-163 foi fundamental para um programa de fomento à agricultura de Figueiredo. Por meio dele, técnicas agrícolas receberam avanços tecnológicos e alimentos como o arroz e o feijão tiveram o preço reduzido.

1984 - Asfaltamento em Mato Grosso

Em parceria com o governo de Mato Grosso, o presidente Figueiredo asfaltou 650 quilômetros da rodovia no trecho que passa pelo estado, então governado por Júlio José de Campos

1995 - Retorno dos Panará

Depois que a Funai terminou a delimitação do território original dos Panará, eles iniciaram uma mudança lenta de volta para a área por onde passa a BR-163. O tempo foi necessário para organizar o sustento de 183 pessoas no novo local.

1999 - Fernando Henrique Cardoso

O presidente Fernando Henrique Cardoso iniciou um projeto para pavimentar toda a BR-163 até 2002, mas o plano nunca foi efetuado.

2004 - Lula da Silva

O governo petista instaurou o Plano BR-163 Sustentável com o objetivo de diminuir o impacto ambiental ocasionado pela abertura da estrada. As ações e metas foram estipuladas em contribuição com a sociedade civil, mas nunca saíram do papel.

2007 - Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)

O presidente Lula inclui a pavimentação da BR-163 no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que licitou o trabalho em nove trechos da rodovia.

2012 - Segunda etapa do PAC

Ainda com a pavimentação atrasada no PAC, a presidenta Dilma Rousseff iniciou a segunda versão do programa, que licitou a duplicação de 8,5 quilômetros da rodovia, e a restauração de outros 27,5 quilômetros.

2014 - Concessão para privados

Em 20 de março, dois trechos foram concedidos a iniciativas privadas. A Odebrecht TransPort ficou responsável por 850,9 quilômetros entre os municípios Itiquira e Sinop, ambos no Mato Grosso.

2016 - Entrega de trechos pavimentados

No trecho concedido à Odebrecht TransPort, 117,6 quilômetros foram entregues com pavimentação e duplicados. Além disso, o trecho foi recuperado, sinalizado e teve o tráfego reordenado.

2017 - Michel Temer

Para finalizar o asfaltamento da BR-163, o governo Temer firmou um convênio com o Exército Brasileiro em setembro de 2016. A entrega da rodovia duplicada e asfaltada está prevista ainda para 2019, pelo presidente Jair Bolsonaro.

2019 - Jair Bolsonaro

Em fevereiro, os ministros do governo Bolsonaro se uniram para garantir que a entrega do asfaltamento duplicado ocorresse como planejado, ainda em dezembro. Desde 2008 até este ano, o governo federal investiu mais de R$ 3,6 bilhões no asfaltamento da rodovia.